segunda-feira, 23 de maio de 2011

Previously on Lost

Se você está lendo este texto, há exatamente um ano havia poucas unhas disponíveis pra roer nos seus dedos. E todas as pessoas à sua volta não te suportavam mais, pois não havia outro assunto a não ser o final de Lost. Aquela, aliás, deve ter sido uma das semanas mais longas da sua vida. Chegava a Era de Aquário mas não chegava a noite do dia 23 de maio de 2010.

Em compensação, os 365 dias seguintes voaram, não é? Depois de algumas semanas de muito debate, comemorações, um pouco mais de ansiedade pelo lançamento dos DVDs, finalmente nós conseguimos seguir em frente... Mas nem Benjamin Linus seria capaz de mentir tão descaradamente. Obviamente, nós não nos desapegamos, e não temos a menor vontade de seguir adiante. Por tudo o que a série foi, e por tudo o que ela representou para nós, não conseguimos deixá-la pra trás.

A saudade se tornou nossa Constante. E esse post é justamente pra dizer do que sentimos mais falta desde que nossos amigos encontraram a luz. Eu começo e vocês me ajudam nos comentários, pode ser? Afinal, nosso líder nos ensinou que ninguém faz nada sozinho.

4 8 15 16 23 42;
De ouvir Previously on Lost;
Da ansiedade pelos episódios;
Da ansiedade pelas novas temporadas;
De caçar spoilers internet afora - ou de fugir deles como os sobreviventes fugiam da Fumaça Preta;
De acordar e entrar no Teorias Lost e em todos os outros fóruns e blogs pra ler as análises e escrever loucamente nos comentários;
De postar no Teorias Lost;
De imaginar, ler e compartilhar as mais incríveis, absurdas e engraçadas teorias;
De procurar easter-eggs;
De juntar família e amigos na frente do monitor pra assistir junto;
Dos Dharma Days e outros encontros de fãs;
Dos sussurros;
Das bochechas do Aaron;
Do fôlego da Kate;
Da falta de fôlego do Jack;
Da esperança do Locke;
De Locke jogando gamão;
Da capacidade do Hurley de ver sempre as coisas boas nos menores detalhes;
Da amizade entre Charlie e Hurley;
Da pasta de amendoim imaginária;
Do Black Rock;
Da instabilidade da dinamite guardada há séculos no Black Rock;
De não saber quem eram Adão e Eva;
Do telefonema de Desmond para Penny;
Do amor torto, porém sincero, entre Boone e Shannon;
Da fé torta, porém sincera, de Mr. Eko.
De não entender Ana Lucia;
Do olhar enigmático de Juliet;
Do amor inabalável entre Rose e Bernard;
Das mentiras de Benjamin Linus;
Das poucas sinceridades de Benjamin Linus;
De sentir raiva de Benjamin Linus;
De sentir medo de Benjamin Linus;
De sentir pena de Benjamin Linus;
Da atuação incomparável de Michael Emerson;
Do Jin contando histórias de terror na fogueira;
Do Jin aprendendo a falar Inglês;
Do Jin aprendendo a amar Sun;
Da Sun aprendendo a amar Jin;
De ver Ji-Yeon no ultrassom e chorar junto com Juliet e Sun;
De achar Claire uma chata;
De achar Michael um chato;
WAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAALT!
De achar Walt especial;
De sentir velho/a ao ver que Walt virou um homem;
De ter raiva da Shannon;
De chorar junto com Sayid a morte da Shannon;
De ficar chocada com o passado de Sayid;
De torcer para Sayid usar suas habilidades contra Os Outros;
De sentir vergonha por desejar que Sayid torturtasse alguém;
De cantar You All Everybody;
Dos Grandes Sucessos da vida de Charlie;
De torcer para que as visões de Desmond estivessem erradas;
De sentir arrepios cada vez que Christian Shephard aparecia em cena;
De ter muito medo da Fumaça Preta;
De tentar saber quantos anos tinha Richard Alpert;
De não saber se Jacob existia;
De descobrir quem era Jacob;
De descobrir que a Fumaça não era um Monstro;
De ficar estupefato/a em frente à caverna iluminada;
Da curiosidade sobre os integrantes do cargueiro;
De ter raiva de Charles Widmore;
De ter muito ódio de Keamy;
De ter pavor da Sra. Hawkings;
De amar tanto Desmond e Penny quanto eles um ao outro;
De Kate aprendendo a ser mãe de Aaron;
De Kate aprendendo que ser mãe é abrir mão, pelo bem do filho;
De Kate cumprindo sua palavra e salvando Claire;
De especular quem estava no caixão;
De especular como Locke foi parar no caixão;
De especular o que era o pé da estátua;
De especular qual divindade representava a estátua;
De ter medo que alguma mulher engravidasse;
Da Vila Dharma;
Das Estações Dharma;
Dos Vídeos de Orientação Dharma;
Dos macacões Dharma;
Da Iniciativa Dharma;
Da escotilha;
Da gaiola;
Dos biscoitos em formato de peixe;
Dos ursos polares;
Dos javalis;
De pausar o vídeo exibido na Sala 23 e tentar entendê-lo quadro a quadro;
Das discussões entre Locke e Jack;
De tomar partido nas discussões entre Locke e Jack;
De torcer para Hurley ficar com Libbi;
De torcer para Claire ficar com Charlie;
De torcer para Kate ficar com Sawyer;
De torcer para Kate ficar com Jack;
De vibrar quando Sawyer ficou com Juliet;
De sofrer por Faraday não poder ficar com Charlotte;
De tentar entender o que Faraday dizia;
Da roda congelada;
Do céu roxo;
Das viagens no tempo;
Dos apelidos que Sawyer inventava;
Das sacanagens que Sawyer aprontava;
Do grande líder em que Sawyer se transformou;
Do Sawyer sendo xerife Dharma;
Do Sawyer sem camisa;
De aprender que ninguém é perfeito;
De aprender que todos têm direito a uma segunda chance (menos Nikki e Paulo);
Da teimosia do Jack;
WE HAVE TO GO BAAAAAAAAAACK!
Da generosidade do Jack;
De aprender a controlar o medo com Jack;
De aprender a salvar o mundo com Jack;
De aprender com Locke que Ilha é um lugar onde milagres acontecem;
De aprender com Locke que tudo acontece por um motivo;
De reconhecer, como Jack, que Locke sempre esteve certo;
De aprender com Jack que devemos viver juntos, se não quisermos morrer sozinhos;
De aprender com Vincent que quem vive junto jamais morrerá sozinho.


Beijos a todos,

Ju Teixeira




Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.

 
who"s online

counter hit make

PageRank Free counter and web stats