quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

5.06 - 316 "Profissão de fé"

Olá! Na verdade gostei bem e nem vim aqui fazer críticas, hoje estou aqui para fazer considerações de "´profissão de fé" sobre este episódio recheado de simbolismo bíblico e, porque não? Otimismo!

Lá na nossa comunidade no orkut, as pessoas já falam que dá gosto ver episódio assim.

Fui a "primeira" a comentar por lá e depois fui respondendo ao Leco nas suas colocações, adoramos esse marketing agressivo :P De qualquer forma, hoje estou docinha que é uma beleza!

Vamos lá:

Acabou a novela, eles voltaram. Mas como chegaram até ali, todos, a excessão de Jack e Sun,provavelmente será explicado. E acaba sendo o mais interessante e esperado, claro.

O sacrifício de Kate em deixar Aaron e JAMAIS tocar neste assunto. O bilhete suicida (será?) de Locke isentando Jack de culpa ao fazer uma singela e essencial pergunta, que sempre moveu os personagens: "Você acredita". Believer or not, Jack fez todo o ritual e caminha para ser o proxy, assumir a liderança. De novo, mas em qual grupo? :)

A minha questão é entender porque Miss Hawkings usou tanta fé e pouca ciência para fazê-los voltar. E é claro, há uma fala soberba de Desmond que nos orienta: "Eles estão numa espécie de jogo, Jack". Também acredito nisso, Des!

Eles voltaram recriando aquela situação da 1a temporada, isso foi uma coisa maravilhosa de ver, Jack deitado, abrindo os olhos...

Mas porque recriar? E para que? É essencial isto no retorno ou é apenas uma experiência sensorial fazê-los reviver não os seus respectivos papéis, mas assumindo os dos outros passageiros? Incluindo Ben Linus. Isso realmente é intrigante, e a isso dou pontos extras a Lost!

Grande presença de Ben Linus, que em sua fala "Who Cares" já denotava o que iria acontecer. Sem avião, sem passageiros. E Jin na Dharma! :P

Se para voltar é necessário usar os "mesmos" termos da queda, não poderemos bater na tecla que o acidente não é acidental desde o começo :P

Aí vem a parte de debater os apontamentos de Leco!

Não há ciência neste episódio, Leco. Foi um episódio puramente de fé! O notável "Man of Science" se rende ao "Man Of The Faith"

A citação a Thomas, que seria São Thomas, ou Tomé, creio eu, por Ben, o homem que precisou tocar nas feridas de Jesus para acreditar, tal como Jack, que precisou ver Locke "morto" para tanto.

A mesma simbologia bíblica da cerimônia do lava pés que Jesus participou com seus discípulos, foi retomada com Jack e Locke, ali, com aquele sapato, aos pés de Locke, o líder torna-se discípulo.

Quanto ao "resto" do episódio, algumas coisas ainda estão nebulosas para mim, Aaron não precisar voltar é até simples de explicar, já que ele não existia no 815. Mas nem Ben estava no 815 tb, ou seja, até para Aaron poderia ter um papel a ser representado. Assim, a natureza da necessidade deles retornarem ainda é estranha para mim, talvez a fala de Hawkings tenha sentido, Jack era quem precisaria voltar. Os outros eram seus discípulos. Não consigo imaginar nada mais bíblico. E sim, o destino, não interessa, acho que há outras formas de retornar à ilha, vide Richard Alpert ao selecionar Juliet,mas tinha que ser pelo mesmo método.

O acerto de contas de Ben pode ter sido com Widmore através de Penélope. Afinal, o homem estava lendo Homero :P, interessante que todos tinham contas a acertar que ficaram para trás. Menos Jack, ele não tinha nada.

Valeu muito pela simbologia. E Locke, para ainda ficar no bíblico, poder levantar tal como Lázaro :)

O pêndulo é alquimia, ciência é outra coisa. Mas concordo com vc , Leco, que a explicação passará por ambos lados.

E para concluir, sabemos da materialidade da queda do 316, já que encontraram garrafas com o logo da empresa na praia no episódio passado, assim,creio eu, o clarão levou Jack, Hurley e Kate para o passado na ilha, já que Jin estava de uniforme e kombi Dharma funcionando que é uma beleza! E os outros passageiros e os restos do avião em outro período.

Sendo assim, não basta voltarem, o deslocamento temporal da ilha continua, há trabalho que precisa ser feito.


P.S-> Na comunidade, Caio me chamou a atenção dizendo que Ben lia Ulisses, de Joyce, não Homero, eu não tenho certeza, de qualquer forma, se for Ulisses, trata-se de uma recriação do clássico de Homero, a questão é: Nele há Penélope :P

UP Date -> O pessoal nos comentários confirma, trata-se de Ulysses, de Joyce. A recriação da obra de Homero.

Danielle M

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.

 
who"s online

counter hit make

PageRank Free counter and web stats