quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Season première : Uma nova visão?

Na verdade não, Leco e eu, invariavelmente, discordamos dos caminhos de Lost. Mas tanto ele, quanto eu, sabemos o quão místico foi essa première e concordo com suas colocações. Mais tarde virão os detalhes do episódio e a julgar pela entrevista dos produtores já postada aqui também no blog, pequenas falas soltas farão a diferença no final. E quais seriam elas? A mais importante, Juliet e o seu "funcionou" e também a sequencia de frases aparentemente sem nexo, típicas de quem está morrendo, mas estranhamente semelhante ao passamento de Charlotte. Essa semelhança seria aleatória?

O que funcionou, Juliet? A bomba? O reset? A vida num mundo onde o acidente do 815 não fez parte da história? Se for isso, a única realidade imutável é esta: os personagens fatalmente irão se encontrar e interagir em algum nível. Alguns chamam isso de poesia, eu chamo de karma. Assim, até ela, Juliet, poderia encontrar Sawyer e o outro casal, Jack e Kate, para um café.

Na lista de mistérios, já contei um a menos. Para mim, o monstro da fumaça já foi devidamente explicado, o episódio mostrou sua transmutação, seu poder de fogo, sua função juiz/executor e, claro, como Locke, demonstrou que sim, era o monstro na versão Yemi e Christian. De um modo ou de outro, ele, o inimigo de Jacob, tentou cooptar losties e tailies para o seu fim. Com Jack em relação a Christian e com Mr. Eko e seu irmão.

Vi que algumas pessoas nos fóruns da vida acham que o inimigo de Jacob, o falso Locke, "possuiu" Sayid, entendo de onde eles tiraram isso, afinal, por tantas temporadas era assim que ele se manifestava também. Mas não acho que desta vez seja por aí. Aliás, sequer acho que ele foi possuído, pra mim pareceu um renascimento numa fonte que poderia ter este poder. Se eu fosse considerar a tal possessão, pensaria em Jacob, que orientou Hugo até lá, até mesmo antes da ilha.

Comentei na comunidade Teorias Lost no orkut, transfiro para cá parte destas idéias logo abaixo, como estavam num fórum, podem parecer desconexas:

Tenho algo a dizer para Leco: Que episódio místico , hein? hahahahaha

Será que a linha desta temporada foi lançada para nós? Então é isso? O ritual sobrepondo ao método científico? Claro que podemos arranjar toda e qualquer explicação de base científica, ou religiosa, ou filosófica, pq aí, exatamente neste ponto, que reside a maravilha desta temporada. Eles, mais uma vez, não vão escolher apenas um viés para explicar. E já disse isso por aqui, o místico é interessante porque precisa de apenas algo: que a gente creia. E nada mais. Quer coisa mais simples assim?

Não, claro que não. Se isso fosse em outras temporadas...mas é a última. E o que o que o povo quer é muito mais do que o "simples assim". Essa season première deu o gostinho do que vem por aí sim, várias linhas, não mais de tempo, mais de escolhas, de destino. Foi a palavra que acompanhou Locke durante todas temporadas- Destino- E Foi a última palavra proferida por Jacob - escolha.

Neste episódio de abertura sinto que eu e meu povo, o lado místico da coisa (hoho) fomos contemplados. Mas sei também, até porque o mesmo episódio deu as pistas necessárias, que não será este o único caminho. Por mim já me sinto aliviada. Tenho a quase convicção de que Lost vai cumprir suas promessas em explicar quase tudo a contento. E olha, isso já é muita coisa!

Bom, também fico feliz que minhas teorias, muitas furadas, agora tem algum valor. Aliás, minhas não, teorias nas quais abracei, porque nada é inédito . Como muitos já pensavam, o monstro não é apenas controlado pelo frenemie de Jacob, é, como muito bem denominou o Luciano na comunidade Teorias Lost no orkut, avatar do próprio. Imaginava que fosse por aí mesmo. Ele sempre foi juiz e executor na ilha. E o frenemie de Jacob é mais do que se apresenta. E a sua casa para qual deseja retornar pode ser o lugar onde ele e Jacob, farinha do mesmo saco, creio eu, foram criados. Olha, acho que isso é primórdio dos tempos. Eles são elementos da própria criação. O Bem e o Mal no seu contexto mais literal ao mais complexo. Digo complexo porque não caio no conto do maniqueísmo. Quantos as cinzas, também estávamos certos lá no começo, quando a cabana de Jacob apareceu pela primeira vez e a gente zoou que era o sal grosso dos irmãos Winchester. Sal não era, mas tinha o mesmo fim: manter algo afastado.

Quanto a LA 2004. Não acho que seja alternativo. Seria aquilo se seguissem seus destinos? Aceitando o que são? Acho que foi uma bela, mas incompleta, representação do que teria acontecido se eles chegassem a LA. E porque ? Este era o sonho deles, mais do que voltar para casa, eles desejavam que nada daquilo tivesse acontecido.

Adorei o cara estilo samurai, coerente com a proposta de manter sigilo, tradição, sacrifício. Lost nas águas das civilizações antigas. ..

Aliás, eu tô pasma com aquela fonte da vida em que o Sayid foi renascido. Que batismo de sangue! Será que é ali mesmo onde Richard Alpert e o samurai se banham para ganhar a vida e juventude eternas? E será ali, tal qual o Senhor dos Anéis, que o frenemie de Jacob precisa forjar a sua volta? E depois falam que o homem veio do barro...

Man of Science...Man of Faith

Pra mim este foi um dos episódios mais interessantes de Lost, a season première da 2a temporada. E acho incrível ele voltar a ser mote neste também. Muito da mitologia, até os próprios personagens, já devidamente apresentados no cast de Guest já nos créditos iniciais, retornaram. Mas isto era óbvio. Para explicar, vamos ter que voltar...

Não acho que foi um episódio perfeito. Mas não é por ser ranzinza não. Tem problemas sim pra mim. Juliet não precisava aparecer, não precisava que sua morte fosse mostrada as vísceras para nós. Miles poderia ler - e que cena forçosamente exagerada e teatral - no mesmo chão o que ela queria dizer a Sawyer. O fim de Juliet foi melhor quando era implícito. E a Claire aparecendo no taxi, ok, dispensável pra mim. Deveras. Ela merecia cena maior. E olha, nada me convence desta súbita super participação da Cindy.

Que foi um reset, foi. Mas como bem disse Sawyer, eles voltaram ao que estavam antes. No tempo. Pq os acontecimentos estavam todos lá. Por um momento achei que aquela LA pertencia a um mundo bizarro, saca, aquele desenho que o superman tem uma versão distorcida dele? Pois é.

Frases bacanas pertencem ao Hurley e o seu poder de ver os mortos. De ser um cara de sorte (bizarro, bizarro) e ter uma arma e saber usá-la.

Achei o povo do templo tão hippie, me identifiquei. Viva a sociedade alternativa! E os malditos sussurros, que a gente já achou que eram dos Outros, depois dos próprios Losties em suas viagens, agora me aparecem de novo no Templo com aqueles monges/ninjas/guarda costas.

O som do Monstro e dos sussurros sempre me deram medinho .

Pensando na zoação do sal grosso, acho que as cinzas são um elemento interessante, veja bem, Jacob ao ser morto na season finale, teve que ser queimado. Ashes to ashes. Do pó ao pó. Renascimento na água ou nas cinzas mesmo? Mas não acho que Sayid foi possuído, mas renascido, feito no mesmo barro que Jacob e seu inimigo. Será que é para temer ou idolatrá-lo?

Danielle M
/danna_

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.

 
who"s online

counter hit make

PageRank Free counter and web stats