segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Encontros e desencontros nas viagens pelo tempo...

Esse assunto tem gerado bons debates nos últimos dias aqui no Teorias LOST, e já aproveito para agradecer a todos que tem nos visitado e participado nos comentários!! A melhor coisa é escrever um post e ler os comentários...

As principais questões que as viagens no tempo tem levantado são se Locke, Sawyer, Jin, Faraday e cia causaram alguma mudança no passado, e porque eles não se lembravam de alguns encontros que vimos nesses primeiros cinco episódios?

Muito bem, de certa forma a resposta para as duas questões são bem simples e diretas: não, eles não mudaram o passado (ou futuro) e não se lembravam porque para eles ainda não havia acontecido!

Agora serei obrigado a (tentar) explicar...

Jin teve seu encontro com Danielle Rousseau em 1988. Primeiro, Jin não lembrava desse encontro quando chegou na Ilha porque ELE ainda não tinha viajado no tempo. Jin não morreu na explosão do cargueiro porque iria salvar Rousseau. Se tivesse morrido na explosão, ela teria descido e morrido com sua equipe depois, alterando o que já conhecemos. A jovem Rousseau se lembra de Jin ter "desaparecido" e acha que ele ficou doente também. O fato dela não se lembrar dele quando o Oceanic 815 chega na Ilha pode ter duas explicações: a vida traumática de Rousseau nos últimos 16 anos ou não houve uma interação direta entre eles para que houvesse a lembrança.


Faraday e Desmond na SWAN. Esse é o mais complexo, pois tem algo que eu adicionaria. Algo como uma certa "sincronia" entre as pessoas da Ilha e as de fora. Mesmo em tempos diferentes! Quando Faraday pede para Desmond encontrar sua mãe, Desmond está em 2008 e Faraday (entre 2001 e 2004). De certa forma esse encontro ocorre simultâneamente entre dois tempos diferentes, no passado para Faraday e em 2008 para Desmond. Por isso ele só lembra no "futuro", mas na verdade ele se lembra no momento em que esse encontro aconteceu, pois Faraday ainda não tinha voltado no tempo também!


Faraday e Charlotte. Aqui podemos aplicar a mesma "regra" acima. Faraday não se lembra de avisar Charlotte para não voltar a Ilha porque ele ainda não voltou no tempo até esse ponto.


Locke e Alpert em 1954. Encontro primordial para a série. Aqui Locke traça seu caminho, seu "destino". Para mim fica evidente que Locke escolheu seu caminho a se candidatar a líder dos Others no futuro. Para isso, convidou Alpert para seu nascimento. Para um personagem tão ligado ao "destino", Locke não teve sua vida traçada por "algo maior", sendo que ele escolheu o "destino" de sua vida. Acho que a vontade dele prevaleveu aqui! Mas de novo, Locke não se lembrava do encontro quando chegou na Ilha porque ainda não tinha voltado no tempo. Porém, os Others já esperavam por Locke porque Alpert já tinha recebido a visita dele e acompanhado seus passos. Isso porque a linha do tempo de Alpert seguiu normalmente. Com o encontro em 1954, claro!


Locke e Ethan. Quem disse que Ethan não se lembra de Locke quando está infiltrado entre os sobreviventes do Oceanic 815!? Afinal, os dois até caçaram juntos, lembram? Nunca vimos Ethan dizer algo sobre Locke para nenhum dos Others. Mas sabendo da história de Alpert (que todos os Others deviam saber!), Ethan pode ter contado sua experiência idêntica com Locke para Alpert. Assim, Ethan podia até se lembrar de Locke, mas não havia necessidade de contar isso a ele. Pois ele já estava onde eles o esperavam: na Ilha!


Sawyer e Kate. Esse é um momento atípico em relação aos demais acima. Atípico porque Sawyer não participou do nascimento de Aaron. Provavelmente, se ele tentasse uma aproximação, algo aconteceria. Bem provável que um novo "jump" viria.



Concluindo... É estranho pensar assim, mas acho que podemos pensar que a linha do tempo daqueles que estão viajando pelo tempo é uma linha não-linear. Como se a cada "jump", algum evento ou eles mesmos, estariam entrelaçados no tempo. Assim, eles viveriam aquilo como se fosse o presente para eles, mas na verdade estamos vendo a construção do passado...

Compicado... Complexo... Mas bem divertido...

Não estou aqui dizendo que é isso e ponto final. Mas pelos vários comentários aqui no blog, no Orkut, em blogs espalhados pelo mundo todo que procuro sempre dar uma olhada, observei que é isso que a maioria das pessoas estão pensando.

Para mim, fica muito interessante esse visão, já que não sou do grupo do "destino". Acho que cada um constrói seu próprio caminho (e sem essa de "livre-arbítrio!). Os losties estão participando de momentos que criaram todas as circuntâncias vividas por eles mesmos desde a queda do Oceanic 815...

Espero que gostem!

Grande abraço e namastê!

Leco Leite

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.

 
who"s online

counter hit make

PageRank Free counter and web stats