quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Lost também é Cultura - 4

4.06 The Other Woman - Sobre Juliet.

Esse é um episódio fraco em referências, mas por incrível que pareça, gosto muito. Pela calma, pelo dito e pelo não dito.



Começamos pelo nome do episódio, uma referência em si. The Other Woman trata-se de um livro de uma espiã sedutora na 2a Guerra Mundial, como também a própria instituição The Others, como ainda, a amante de Goodwin, e ainda também àquela sempre amada por Ben.

Juliet é a Outra Mulher em muitos sentidos: A personificação de Sarah para Jack e de Annie para Ben.

Sendo assim, considero este episódio um dos mais freudianos de Lost. Freud em sua obra dizia que os homens sempre procuram algo da mãe em suas namoradas. O famoso "Complexo de Édipo". Já as mulheres também fazem o mesmo, mas em relação ao pai, "Complexo de Electra".



Emily, mãe de Ben e seu belo vestidinho de camponesa


Sarah e Jack. Tensos


Uma referência que acho sensacional é a Shakespeare. O nome da estação - Tempestade - é o mesmo que uma das obras mais famosa do bardo inglês. Se tem Shakespeare, há conflitos, dúvidas e muita traição. O resumo no wikipedia:

"Conta a história do feiticeiro Prospero e sua filha Miranda, que habitavam obrigados e ociosos numa misteriosa ilha deserta que tinha propriedades místicas. Prospero criou uma tempestade que fez com que um navio passante que continha seus inimigos, naufragasse na ilha. Usando mágica, espíritos e um homem-besta chamado Caliban, ele separou e manipulou os sobreviventes do naufrágio visando seus próprios interesses. A peça termina com Prospero restaurado a sua forma gloriosa".

Ilustração de "A Tempestade".

Se Shakespeare é citado, dúvidas existenciais são evocadas.


Essa eu tive ajuda dos universitários :P Quando Ben manda Goodwin praticamente para a morte, ele faz o mesmo que o Rei Davi, quando enviou Urias para uma batalha. Ele, Urias, era esposo da mulher amada por Davi, Bateseba . Sim, ela de novo. A Bíblia. e vamos combinar, o nome Goodwin não foi escolhido à toa. O cara é bom mesmo.


Urias e Davi e uma bela mulher para complicar tudo



Ben e seu lado ultra romântico, no jantar com Juliet, coloca a ária de Madame Butterfly,"Un Bel Di" - Um Belo Dia. O tema? Amores impossíveis

O amor é sempre trágico?


Boston Red Sox é lembrado, a referência é óbvia, super citada e esportiva. Passo :P


Ah, e não é que o Valis, do Philip K. Dick é citado novamente. Ben não larga essa leitura.


Acabamos por aqui. Logo mais tem mais :)


Danielle M

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.

 
who"s online

counter hit make

PageRank Free counter and web stats